JOÃO DIAS, O “PM DO KUNG FU” SURTOU, FICOU DOIDÃO E FEZ BARRACO NO BURITI! TÁ QUERENDO IBOPE JOÃO?

20:50Lucas Garcia




JOÃO DIAS, O “PM DO KUNG FU” SURTOU, FICOU DOIDÃO E FEZ BARRACO NO BURITI! TÁ QUERENDO IBOPE JOÃO?

Em mais um episódio da não tão séria série, “João, o meganha do Kung Fu”, o Palácio do Buriti foi alvo de mais um episódio da trama que se desenrola há meses desde o inicio do governo Agnelo, com a troca de acusações entre o soldado  da polícia militar “João”Kung Fu Dias”e os donos do poder  no GDF. O pm portando uma mala com cerca de R$160.000,00, invadiu o palácio, segundo ele para falar com o secretário Paulo Tadeu, e devolver o dinheiro que segundo ele seria uma tentativa de corrupção, ou "cala a boca", segundo seu advogado, para comprar o seu silêncio sobre os fatos que ele vem denunciando. Em depoimento, o policial militar disse que foi procurado por um delegado da Polícia Civil, um coronel da PM, além das duas servidoras do GDF. Após agredir duas secretarias, João Dias foi preso e encaminhando sob escolta e visivelmente alterado disse que queria apenas conversar com o secretário. Espantadas e em clima de verdadeiro filme policial, as pessoas corriam e algumas comentavam o absurdo, de um policial que deveria estar trabalhando pela segurança da população, praticar tal ato, sem que o comando da policia militar  desse qualquer explicação, e sem que as fontes oficiais do palácio igualmente se expliquem.
Agressão aos seguranças e dedo quebrado.
Os seguranças foram chamados para conter João Dias. O policial militar, campeão em artes marciais, quebrou o dedo de um sargento. Detido pela polícia interna do Palácio do Buriti, o PM foi levado para prestar depoimento na 5ª DP, onde ficou sob custódia até o fechamento desta edição. Em nota divulgada na noite de ontem, a Polícia Civil informou que, após depoimentos dos envolvidos e encaminhamento das vítimas ao Instituto Médico Legal, todos seriam liberados. João Dias, porém, após pagar fiança de R$ 2 mil, foi levado ao Instituto de Medicina Legal e conduzido pela Polícia Militar “para a adoção das providências administrativas cabíveis, em razão da sua condição de militar”.
O policial militar agressor foi autuado pelos crimes de injúria de cunho racial, lesão corporal e vias de fato no interior do Palácio do Buriti, que é considerada uma área de segurança. Ao sair da 5ª DP, a subsecretária Paula Batista confirmou o teor do depoimento dado ao delegado Marcelo de Paula Araújo: “Fui agredida. Ele bateu na gente, nos empurrou. É um louco que deveria estar preso”.
O que ficou mesmo no ar foi a sensação de que muita coisa tem de ser explicada tanto do policial que recebe para trabalhar pela segurança pública, quanto pelo GDF que não dá explicações satisfatórias e resolve ou põe fim ao problema.
Nota do GDF
A Secretaria de Comunicação Social do DF divulgou um comunicado sobre o ocorrido na tarde de ontem. Leia a íntegra da nota:
“A equipe de segurança do Palácio do Buriti teve que retirar do prédio, na tarde de hoje, o policial militar João Dias após ele agredir duas servidoras da Secretaria de Estado de Governo. João Dias teve que ser contido pelos seguranças, já que apresentava comportamento agressivo, e foi encaminhado à Polícia Civil, que tomará as medidas legais pertinentes ao caso.

Quanto ao secretário de Governo, Paulo Tadeu, ele não se encontrava no Palácio durante o episódio.

Você pode gostar de...

0 comentários

Criticas ou sugestões?

Nome

E-mail *

Mensagem *

Visitantes