Mulheres que tiveram câncer de mama terão prioridade no atendimento. Leia e entenda o implante.

18:24Carlos Alberto-Há 40 anos vivendo Brasília!



Mulheres que tiveram câncer de mama terão prioridade no atendimento para troca das próteses PIP e Rofil. 
As diretrizes divulgadas na quarta-feira pelo Ministério da Saúde, depois de uma reunião com representantes da área médica, mantiveram a determinação de que apenas as mulheres com rompimento das próteses terão direito à troca imediata. No entanto, o histórico de câncer fará que a mulher passe à frente na fila para atendimento desses casos, tanto no Sistema Único de Saúde (SUS) quanto nos planos de saúde.
A decisão foi tomada porque há suspeitas de que alguns implantes podem ter na sua composição materiais cancerígenos. Até que sejam concluídas as perícias feitas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a prioridade será dada. No entanto, mesmo com o antecedente de câncer, mantém-se a decisão de troca apenas em casos de rompimento.
As diretrizes determinam, ainda, que mesmo mulheres sem sintomas mas que tenham implantes Rofil e PIP, sejam submetidas a exames de imagem para confirmar que não há o rompimento. De acordo com o Ministério da Saúde, o exame preferencial é a ultrassonografia das mamas, capaz de identificar fissuras no material, mesmo que ainda não haja sintomas físicos. Também poderá ser usada uma ressonância magnética, de acordo com a necessidade identificada pelos médicos.
Aquelas que não tenham rompimento das próteses, indica o Ministério, não farão a troca, mas terão que ser acompanhadas a cada três meses - o prazo é o mesmo também para as mulheres com histórico de câncer. Em todos os casos, tanto os planos de saúde quanto o SUS terão que arcar com todos os custos, incluindo exames, retirada das próteses e posterior colocação de outro implante, se for o caso.terão prioridade no atendimento para troca das prótesesPIP e Rofil. As diretrizes divulgadas na quarta-feira pelo Ministério da Saúde, depois de uma reunião com representantes da área médica, mantiveram a determinação de que apenas as mulheres com rompimento das próteses terão direito à troca imediata. 


No entanto, o histórico de câncer fará que a mulher passe à frente na fila para atendimento desses casos, tanto no Sistema Único de Saúde (SUS) quanto nos planos de saúde.

A decisão foi tomada porque há suspeitas de que alguns implantes podem ter na sua composição materiais cancerígenos. Até que sejam concluídas as perícias feitas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a prioridade será dada. No entanto, mesmo com o antecedente de câncer, mantém-se a decisão de troca apenas em casos de rompimento.
As diretrizes determinam, ainda, que mesmo mulheres sem sintomas mas que tenham implantes Rofil e PIP, sejam submetidas a exames de imagem para confirmar que não há o rompimento. De acordo com o Ministério da Saúde, o exame preferencial é a ultrassonografia das mamas, capaz de identificar fissuras no material, mesmo que ainda não haja sintomas físicos. Também poderá ser usada uma ressonância magnética, de acordo com a necessidade identificada pelos médicos.
Aquelas que não tenham rompimento das próteses, indica o Ministério, não farão a troca, mas terão que ser acompanhadas a cada três meses - o prazo é o mesmo também para as mulheres com histórico de câncer. Em todos os casos, tanto os planos de saúde quanto o SUS terão que arcar com todos os custos, incluindo exames, retirada das próteses e posterior colocação de outro implante, se for o caso.

http://www.gazetadopovo.com.br





AQUI, A GENTE AJUDANDO VOCÊ A ENTENDER:


PARA ENTENDER MELHOR:


Mamoplastia de aumento (Prótese de Mama)


Indicação: 
A mamoplastia de aumento, conhecida também como cirurgia da prótese de mama, é indicada para os pacientes com mamas pequenas ou que após amamentação tiveram grande redução do volume mamário, sem que houvesse ptose da mama (queda da mama).
Durante algum tempo especulou-se que a prótese de silicone poderia trazer prejuízo à saúde da mulher (câncer de mama, doenças reumáticas, etc.). Após extensos estudos realizados pelos Estados Unidos, ficou comprovada a inexistência destes malefícios.
É recomendável a troca periódica das proteses para se evitar o desgaste das mesmas. Devido à crescente qualidade das proteses, estima-se que a troca deverá ser realizada em torno de 20 anos.
Tipo de anestesia: 
Local com sedação, peridural ou geral.
Técnica Cirúrgica:
A prótese de mama pode ser colocada através de 3 incisões diferentes (periareolar = envolta da aréola, submamária = no sulco da mama ou axilar = através da axila). A localização da prótese também pode ser em dois espaços diferentes: embaixo da glândula ou abaixo do músculo.

Cada método tem suas vantagens e desvantagens, devendo ser a escolha feita em conjunto pelo médico e paciente, após discussão sobre os prós e contras de cada técnica.

1. Anestesia local com sedação ou geral.
2. A incisão é feita no local pré determinado (periareolar, submamária ou axilar).
3. Descola-se o plano em que a prótese será colocada, formando um espaço vazio (sob a glândula ou sob o músculo).
4. Insere-se a prótese na mama.
5. Sutura-se a gordura e a pele.
  


OBS: Geralmente deixa-se um dreno para que as secreções formadas nos primeiros dias não fiquem coletadas junto à prótese.
Tipos de próteses de mama:
Há vários tipos e modelos de próteses de mama, cada uma com uma indicação dependendo do tipo de mama da paciente e do plano a ser colocado (subglandular ou submuscular).
As próteses de mama podem variar de perfil, de conteúdo e de envoltório. O perfil (forma) pode ser redondo (baixo,moderado, alto) ou anatômico ("gota"), conforme a projeção da prótese. O conteúdo pode ser de silicone ou de soro fisiológico (prótese salina). O envoltório da prótese também pode variar, sendo texturizado ou liso.
A escolha da prótese de mama ideal será feita na consulta médica, quando o cirurgião examinará a paciente e escolherá a melhor prótese para produzir um melhor resultado para o aumento das mamas, que em cada paciente é diferente.
Geralmente no Brasil se escolhe a prótese de silicone, texturizada, redonda ou anatômica.
Tempo de internação: 
De 12 a 24 horas.

Pós-operatório:
O pós-operatório da mamoplastia de aumento costuma ser tranqüilo, pouco doloroso. Deve-se evitar esforços com os braços por 1 mês. O dreno é retirado geralmente no 1o ou 2o dia pós-operatório.
Complicações: 
Apesar de raras, podem ocorrer: hematoma, infecção, extrusão da prótese, contratura da cápsula que é formada ao redor da prótese.
Resultado definitivo:
O resultado quanto à forma já é bastante evidente no pós operatório.. Durante o primeiro mês há a redução do edema (inchaço) e a cicatrização ganha força. Como toda Cirurgia Plástica, o resultado definitivo da mamoplastia de aumento se dá após os 6 meses, devido ao amadurecimento da cicatriz.
FONTE:





Você pode gostar de...

0 comentários

Criticas ou sugestões?

Nome

E-mail *

Mensagem *

Visitantes