SARGENTO PM MATA NO TRÂNSITO, DE MADRUGADA EM TAGUATINGA

19:43Carlos Alberto-Há 40 anos vivendo Brasília!


SURTADO, DESEQUILIBRADO, OU DESPREPARADO: OU, DE QUANDO AQUELE QUE DEVERIA GARANTIR NOSSA SEGURANÇA FAZ O PAPEL INVERSO.  E NO MEIO DA RUA.
 Apenas 3 dias após a condenação de um sargento que matou um torcedor do São Paulo no Gama, outro sargento da PMDF mata um e fere outro, em Taguatinga após discussão por batida num carro velho modelo Opala. O rapaz atingido por pelo menos quatro tiros no abdômen e nas pernas, ainda ligou para sua esposa que está grávida antes dos disparos e foi levado ao Hospital Regional de Taguatinga (HRT). Segundo familiares, ele está em coma induzido e o quadro é grave. Fernando, o outro atingido que morreu na hora, deixou dois filhos, de 10 e 7 anos.



Em mais um acidente de trânsito, este na madrugada, na Via estrutural, que poderia ser resolvido com diálogo, a situação terminou em tragédia. O sargento PMDF Renato Campos, 34, lotado no Batalhão Ambiental, já desceu do carro, segundo os familiares das vítimas, de arma em punho, sem qualquer intenção de se identificar, e partiu para a discussão, já que foi atingido por trás, no seu veículo modelo Opala. Os tiros foram da potente pistola ponto 40 usada pelo policial. E de acordo com os familiares das vítimas que foram ao local, existe o medo de que o crime permaneça impune. “Quando cheguei à delegacia, já tinha mais de 30 policiais do batalhão dele. Foram os PMs, inclusive, que o levaram para registrar a ocorrência”, contou o primo das vítimas. Porém de acordo com o comandante da unidade em que o sargento pm servia, Cláudio Ribas de Souza, o policial teria agido em legítima defesa, havendo a alegação de que um dos atingidos estava embriagado, e o policial atirou em legítima defesa, já que os familiares chegaram alterados. Mas em momento nenhum houve indícios ou apreensão de armas dos envolvidos e seus familiares, e que afirmaram  “já ter ouvido os tiros quando já se aproximavam do local”.
Já no entendimento da promotora Maria José Miranda, ouvida pela reportagem do Correio Braziliense, o acusado de executar Fernando Cavalcante pode ser condenado à punição mais severa pelo fato de ser PM. Segundo ela, é comum que magistrados levem em conta as circunstâncias que fizeram com que o agente público puxasse o gatilho. “O juiz considera que o policial é treinado para controlar as emoções em momentos de conflito. Ele também leva em consideração o emprego de armamento por um profissional fora do serviço. Tudo isso pode ser determinante para que a pena seja maior”, afirmou. O sargento não estava fardado, em serviço e sequer se identificou como policial militar.

Você pode gostar de...

2 comentários

  1. matéria ruim e de péssimo pré-julgamento câmeras de segurança flagaram os 2 irmãos indo em direção ao pm para tentar tomar-lhe a arma.e mesmo com os disparos de alerta do pm eles não pararam.os 2 já tinham passagem pela policia e pelo que indica eram brigões.agora me fala se um cara que vai para cima de outro armado ele esta com qual intenção?se eles tomam a arma do pm ele estava morto.

    ResponderExcluir
  2. EM ATENÇÃO AOS NOSSOS LEITORES;
    AS FILMAGENS LIBERADAS PELA POLICIA CIVIL, MOSTRAM QUE REALMENTE OS DOIS CIDADÃOS QUE FORAM,UM MORTO E O OUTRO FERIDO,PARTIRAM PARA CIMA DO POLICIAL, EM TOM DE AGRESSÃO, E CERTAMENTE TERIAM LHE TOMADO A ARMA.

    ResponderExcluir

Criticas ou sugestões?

Nome

E-mail *

Mensagem *

Visitantes