ARTIGOS PARA PENSAR; NOSSOS ERROS E CULPAS

09:23Carlos Alberto-Há 40 anos vivendo Brasília!






Por João Bosco Leal

Lendo um discurso intitulado "Fizemos algo errado", realizado por Oscar Arias, Presidente da Costa Rica, durante reunião da Cúpula da Américas ocorrida em Trinidad e Tobago, em abril de 2008, fiquei surpreso com muitos dados que até então me eram desconhecidos e com a crítica espetacularmente realista e construtiva que ele fez a todos os países latino-americanos.

Em primeiro lugar o presidente chama a atenção de todos os outros presidentes dos países da América Latina e Caribe ali presentes, sobre o fato de sempre se dirigirem aos Estados Unidos da América para pedir-lhes coisas, reclamar de algo ou culpá-los por todos os problemas, passados, presentes e futuros da região.

Oscar Arias passou então a lembrá-los que a América Latina possuiu universidades antes do que os Estados Unidos criassem Harvard e William & Mary, que são as primeiras universidades desse país e que, até 1750, os países do continente americano eram praticamente iguais: todos eram pobres.

Lembrou ainda que, com o surgimento da Revolução Industrial ocorrida na Inglaterra, diversos países como Austrália, Canadá, Estados Unidos, França e Nova Zelândia seguiram por esse caminho, enquanto os países da América Latina não se deram conta da chance que passava, e perderam a oportunidade de iniciar nessa nova etapa juntamente com os outros.

Que comparando historicamente nossos países com os Estados Unidos, por aqui não surgiu nenhum português ou espanhol que, como John Winthrop com uma Bíblia em sua mão, sugerisse a criação de uma Cidade sobre uma Colina, que brilhasse, como fizeram os peregrinos evangélicos que chegaram aos Estados Unidos e que à apenas 50 anos o México era mais rico que Portugal e que o Brasil possuía uma renda per capita maior que o da Coréia do Sul, a de Honduras era maior que a de Cingapura, que hoje apresenta uma renda anual de US$ 40.000 por habitante.

Em 1950 cada cidadão americano era quatro vezes mais rico que um latino-americano e hoje ele já é 10-15 vezes mais rico que os latinos e isso não por culpa dos Americanos, mas exclusivamente nossa, por diversas políticas errôneas e equivocadas adotadas durante décadas e até séculos, como o fato de, enquanto os países ricos destinam US$ 100 milhões para aliviar a pobreza de 80% da população mundial, os países latino-americanos destinam US$ 50 milhões em armas e soldados.

Quem seria nosso inimigo senão a falta de educação, o analfabetismo, os gastos mínimos com a saúde pública, a não implantação da infraestrutura necessária, os caminhos, estradas, portos e aeroportos, as comunicações, os raríssimos investimentos na implantação de novas hidrelétricas ou na geração de novas fontes de energia, sem a qual não haverá progresso e o baixíssimo nível da educação existente em nossos países - onde de cada 10 alunos que iniciam o nível secundário só um o conclui - e que mantém as universidades como as dos anos 60, 70 ou 80.

Enquanto continuamos discutindo sobre todos os "ismos", capitalismo, socialismo, comunismo, liberalismo, neoliberalismo, social-cristianismo - ideologias que já devíamos ter enterrado há muito tempo -, os países asiáticos encontraram o "ismo" mais realista e apropriado para o final do século XX e para o XXI, o "pragmatismo", pois quando se deu conta de que seus próprios vizinhos estavam enriquecendo de uma maneira muito acelerada, Deng Xiaoping visitou Cingapura e a Coréia do Sul, e ao regressar a Pequim disse aos velhos camaradas maoistas: "Bem, a verdade, queridos camaradas, é que a mim não importa se o gato é branco ou negro, só o que me interessa é que cace ratos" e "a verdade é que enriquecer é glorioso". E desde 1979 a economia chinesa cresce sempre acima de 11% ao ano e tirou 300 milhões de habitantes da pobreza.

Recentemente, o economista Gabriel Palma, da Universidade de Cambridge, chamou a atenção para o processo de desindustrialização vivenciado pelo Brasil. Ele lembra que “em 1980 o parque industrial brasileiro era maior que o da China, Coréia do Sul, Tailândia e Malásia somados, mas que em 2010, a indústria brasileira representou menos de 15% do que esses países somados produziram”, concluindo que “construir o que nós construímos, e depois destruir, em tão pouco tempo, é um ato de vandalismo econômico sem igual”.

Não culpe ninguém por seus fracassos, pois cada um é responsável por suas escolhas e arcará com as devidas consequências, mas quando as opções são realizadas por governantes, quem paga é a população.

João Bosco Leal é Jornalista, escritor, articulista político e produtor rural -http://www.joaoboscoleal.com.br/

Você pode gostar de...

0 comentários

Criticas ou sugestões?

Nome

E-mail *

Mensagem *

Visitantes