CIÊNCIA AVANÇA NO COMBATE AO CÂNCER DE PRÓSTATA.LEIA TUDO SOBRE ESTES AVANÇOS AQUI E AGORA.

23:39Carlos Alberto-Jornalismo,isento e sem compromisso com mentiras.!

Caros amigos e leitores; fizemos uma pesquisa sobre as últimas notícias que contam os avanços da ciência e medicina sobre uma questão crucial e que muito aflige aos homens: O câncer de próstata e suas consequências. 
Informação necessária e importante para o público masculino. Leiam com atenção e mantenham-se informados.  E lembrem-se; morrem muito mais homens do que mulheres por motivos de doenças e por um motivo bem simples; os homens não se cuidam e as mulheres, sim!
Bom proveito.

CÂNCER DE PRÓSTATA - O QUE ESTÁ ACONTECENDO?



              Identificada célula de origem do câncer de próstata.


                              Mais um passo foi dado na prevenção contra o câncer de próstata: doença que atinge cerca de 50 mil homens por ano no país e mata 10% deles. Agora, cientistas da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, afirmam ter encontrado a “célula de origem” da doença, um tipo específico de célula que dá origem ao câncer de próstata. Segundo os pesquisadores, a identificação de tal célula é a chave para estudar qualquer tipo de câncer.

                                    Por anos, os médicos trabalharam sob o pressuposto de que o câncer de próstata surgia a partir de células chamadas “células luminais”, que se alinham no interior de dutos minúsculos da próstata e secretam fluido da glândula da próstata. Mas usando um novo método para cultivar tecidos humanos em ratos, os pesquisadores descobriram uma nova origem do câncer da próstata: um tipo de células chamadas “células basais”, que dão suporte às células luminais e regeneram o tecido da próstata.
A notícia causou surpresa no entre os especialistas da área. “Nós quase sempre ignorávamos as células basais, mas elas podem realmente causar o câncer”, explica Anthony Smith, membro da Associação Americana de Urologia.
Especialistas em câncer dizem que a descoberta pode levar a melhores tratamentos no futuro, mas ressaltam que os estudos ainda estão apenas no início. “Quando você está lidando com um estudo do rato, que é o caso dessa pesquisa, você está muito, muito cedo no processo”, afirma Smith.
Apesar da cautela, os pesquisadores acreditam que os resultados alcançados e os métodos utilizados podem ser aplicados a mais doenças. “Estamos oferecendo amplamente as técnicas para que esta ideia de regeneração de tecidos seja aplicada como uma maneira de estudar outros tipos de câncer”. [Live Science]


MAIS:

Um refrigerante por dia aumenta em 40% seu risco de câncer de próstata.

Já citamos várias razões para largar o refrigerante aqui: eles podem prejudicar o espermacausar problemas muscularesengordamcausam envelhecimento precoce, aumenta o risco de câncer de pâncreas e, além de tudo, viciam. Agora você tem mais um motivo para trocar a Coca-Cola comum pela versão sem açúcar ou pelo suco natural. Um novo estudo sueco sugere que homens que tomam um refrigerante por dia (330 ml, pouco menos do que uma lata) podem aumentar em 40% o risco de desenvolver formas graves de câncer de próstata.
Pesquisadores da Universidade de Lund (Suécia) examinaram minunciosamente a dieta de mais de 8 mil homens entre 45 e 73 anos por 15 anos, em média. “Entre os homens que consomem uma grande quantidade de refrigerantes ou outras bebidas com adição de açúcar, constatamos um risco de câncer de próstata aproximadamente 40% maior”, disse uma das autoras do estudo, Isabel Drake.
A partir da análise da dieta masculina, os pesquisadores suecos também descobriram que uma dieta rica em carboidratos, com arroz e massas, aumentou em 31% o risco de contrair formas mais leves de câncer de próstata – que muitas vezes não exigem tratamento. Comer muito açúcar no café da manhã (como cereais açucarados) aumentou esse índice para 38%.
Estudos anteriores já haviam demonstrado que imigrantes chineses e japoneses que viviam nos Estados Unidos, o maior consumidor de refrigerantes do mundo, desenvolviam câncer de próstata com mais frequência do que os compatriotas que permaneceram em seu país.
As mulheres também têm muitos motivos para parar de tomar refrigerante. Além de todos os problemas citados acima, o consumo da bebida aumenta em 80% o risco de acidente vascular cerebral em mulheres.[DailyMail

Teste simples poderia diminuir o risco de câncer de próstata pela metade.

Um procedimento, que custa apenas cerca de 27 reais, pode diminuir o risco dos homens de ter câncer de próstata, e identificar as pessoas em maior perigo de morrer por causa da doença – o segundo câncer mais letal entre a população masculina – ou de metástase, que é quando o câncer se espalha para outros órgãos.
A afirmativa baseia-se em um estudo que recolheu amostras de sangue de 1167 homens com 60 anos em 1981, e acompanhou a saúde deles até a idade de 85.
Atualmente, existe uma controvérsia envolvendo testes já disponíveis quanto ao momento ideal para administrá-los. 
O medo é de que muitos homens sejam “superdiagnosticados” e fiquem tão preocupados que se submetam a cirurgias desnecessárias e arriscadas.
Mas o novo estudo sugere que 60 é uma idade boa para fazer o teste, que pode definitivamente eliminar o risco da doença tornar-se fatal em até 50% dos homens.
O procedimento permitiria que os médicos concentrassem seus recursos escassos nas pessoas mais suscetíveis a desenvolver e morrer da doença, para tratar cada um deles conforme suas necessidades.
O teste, muito simples, funciona destacando os níveis do antígeno prostático específico (APE) no sangue, uma proteína que pode vazar da próstata e células tumorais. Cerca de 90% das mortes por câncer de próstata ocorrem em homens com níveis mais elevados de APE.
O câncer tem desenvolvimento geralmente lento, levando até 15 anos para se espalhar para outras partes do corpo. Por isso, os cientistas acreditam que homens com níveis de APE abaixo da média na idade de 60 anos não precisam se preocupar com a ameaça.
Os resultados da pesquisa sugerem que é improvável que os homens COM 60 anos de idade E baixas concentrações de APE desenvolvam câncer e, mesmo que desenvolvam, é improvável que ele se manifeste durante a sua vida e ainda menos provável que se torne uma ameaça.
Por outro lado, um quarto dos homens com APE elevado aos 60 anos de idade tem 26 vezes mais chances de morrer de câncer de próstata. Segundo os pesquisadores, dos 5% dos homens com níveis mais elevados de APE, apenas um em cada seis vai morrer de câncer de próstata com a idade de 85.
Dessa forma, os médicos poderiam, então, concentrar a atenção e recursos em pessoas com maior risco da doença, e os pacientes com APE baixo não precisariam ser expostos a triagens potencialmente perigosas e tratamentos posteriores.
Alguns médicos discordam sobre a importância do teste, porque mais de 65% dos homens com APE elevado não têm câncer, o que aumenta o risco de erros de diagnóstico.
No início deste ano, na Grã-Bretanha, foi relatado que um quinto dos homens na faixa etária de risco que pediram um teste de APE teve seu pedido recusado.
Porém, o estudo recente sugere que os homens podem fazer o teste, mas se forem diagnosticados com APE baixo, não devem fazer quaisquer outros testes de câncer de próstata, como a biópsia, o que pode causar impotência e incontinência mais tarde.
Segundo especialistas, a abordagem orientada ao novo teste é preferível a um programa de triagem, que significa realizar testes nos homens em intervalos regulares durante vários anos.
No entanto, este é um estudo inicial, envolvendo apenas 1.000 homens na Suécia, e mais pesquisas a longo prazo, com número e diversidade maior de homens, são necessárias antes de concluir que esse método de teste realmente é a melhor opção. [Telegraph]



Café parece diminuir chance de morte por câncer de próstata.




                                    Nem sempre beber muito café faz bem, mas para os homens, tem um grande benefício: segundo um novo estudo, beber seis ou mais xícaras de café por dia pode reduzir o risco de câncer de próstata fatal em até 60%.
Os efeitos potencialmente benéficos do café têm recebido muita atenção nos últimos anos. O consumo de café já foi associado a um menor risco de diabetes tipo 2, mal de Parkinson e câncer de fígado, entre outras condições. Na semana passada, pesquisadores suecos relataram que as mulheres que bebiam pelo menos cinco xícaras por dia tinham um risco menor de desenvolver certo tipo agressivo de câncer de mama.
Cientistas já haviam explorado uma possível ligação entre o café e o câncer de próstata, mas os estudos feitos tiveram resultados mistos e eram pequenos. A nova pesquisa é a maior de seu tipo, envolvendo cerca de 48.000 homens.
A cada quatro anos, entre 1986 e 2006, os participantes relataram a quantidade de café consumida por dia. Durante o período de acompanhamento (que durou até 2008), 5.035 homens desenvolveram câncer de próstata.
Em 642 desses casos, o câncer foi considerado letal, o que significa que os tumores se propagaram e os homens morreram da doença. O consumo de café foi ligado a apenas um risco ligeiramente mais baixo de todos os cânceres de próstata, mas a mudança no risco foi pronunciada para o câncer letal.
Comparado com os homens que não bebiam café, aqueles que bebiam pelo menos seis xícaras por dia tinham um risco 60% mais baixo de ter câncer letal, e os que bebiam de uma a três xícaras por dia tinham um risco 30% mais baixo.
A diminuição do risco de câncer existiu independentemente dos homens beberem café descafeinado ou cafeinado, o que sugere que o benefício pode vir de uma propriedade do café que não a cafeína.
Segundo os pesquisadores, o café tem um monte de efeitos biológicos diferentes, e muitos deles parecem ser relacionados ao câncer de próstata.
O café é uma importante fonte de antioxidantes e também tem efeitos positivos no metabolismo da glicose e insulina (especialistas acreditam que a insulina desempenha um papel na progressão do câncer de próstata).
O café também parece influenciar os níveis de hormônios sexuais, como testosterona e outros, que têm um papel no câncer de próstata.
Os pesquisadores alertam, no entanto, que os resultados não provam que o café diretamente previne câncer de próstata agressivo. O estudo mostra apenas uma associação, embora seja uma relativamente forte, já que os pesquisadores foram capazes de levar em conta informações detalhadas sobre as dietas dos homens e outros fatores que podem afetar o risco de câncer de próstata, como histórico familiar, tabagismo, obesidade e atividade física.
Ainda assim, por enquanto, as descobertas não são convincentes o suficiente para os médicos recomendarem que os homens de meia-idade aumentem sua ingestão de café.[CNN]

Cachorros podem detectar câncer de próstata.


Um estudo francês mostrou que cachorros, de uma determinada raça, se treinados, podem identificar pessoas que sofrem com câncer de próstata. 

A raça – os cães pastores belgas – podem ser treinados para essa finalidade.
Médicos do Hospital Tenon, de Paris, treinaram cachorros para distinguir o cheiro da urina de homens que têm câncer de próstata e aqueles que não têm a doença. No fim do treinamento, os cães puderam identificar corretamente 63 de 66 “amostras”.
Pode parecer bizarro, mas os especialistas dizem que o olfato dos cães pode ser 100 mil vezes mais apurado do que o dos humanos. Os pesquisadores acham que os cães reconhecem o cheiro de alguma molécula específica que aparece no organismo dos homens que sofrem com o câncer de próstata e, por conseqüência, na urina deles. 
Uma nova parte da pesquisa quer descobrir que molécula é essa.
Os cientistas estão otimistas, mas o estudo precisa ser feito em uma escala maior para que seus resultados sejam comprovados. Afinal há a hipótese de que os cachorros conseguiriam “ler”, de certa forma, através de alguma reação de seus treinadores, se a amostra era de alguém com câncer ou não – sabe-se que os cães podem identificar muito facilmente as reações humanas.
Se os resultados forem comprovados, o teste canino pode ser mais efetivo para identificar o câncer de próstata do que os testes de sangue, usados para esse propósito.[LiveScience]



Teste de urina pode melhorar diagnóstico de câncer de 

próstata.



                            Segundo uma nova pesquisa, um teste de urina pode ser melhor para identificar o risco de um homem de desenvolver câncer de próstata do que os métodos existentes.
A maioria das biópsias de próstata é feita se um teste para um antígeno prostático específico (PSA, na sigla em inglês) demonstra níveis elevados. Mas o teste de PSA tem suas deficiências – pode aparecer como elevado quando o câncer não está presente, e não mostra benefício claro em termos de ajudar os homens a viverem mais tempo.
O novo teste de urina procura por uma alteração genética que ocorre em alguns tipos de câncer de próstata, e seus resultados poderiam ser usados para separar os homens em grupos de alto, médio e baixo risco.
Segundo os pesquisadores, o exame de urina poderia ser feito depois que um homem descobrir que tem níveis elevados de PSA, para orientar a decisão sobre se uma biópsia deve ser feita ou não.
O teste é baseado em um estudo de 2005 feito pelos mesmos pesquisadores, que identificou uma alteração genética presente em 50% dos cânceres de próstata identificados por teste de PSA.
Essa alteração – a fusão de dois genes chamados TMPRSS2 e ERG – faz com que as células produzam uma determinada proteína, e o novo estudo mostra que o material genético envolvido na produção dessa proteína pode ser detectado na urina.
Ao combinar o novo teste de urina com um teste para um antígeno prostático específico, os pesquisadores puderam dizer se um homem tinha câncer de próstata melhor do que poderiam fazer apenas com o teste de PSA.
Mais de 1.000 homens participaram do estudo. Com base nos resultados, os pesquisadores conseguiram separá-los em grupos de risco. Biópsias subsequentes resultaram em um diagnóstico de câncer em 21% dos casos de baixo risco, 43% de risco médio e 69% de risco alto.
O estudo, no entanto, foi limitado. 85% dos participantes eram caucasianos, então pesquisas adicionais são necessárias para determinar se as descobertas se estendem a todas as etnias. Também, como todos os homens no estudo já tinham feito o teste de PSA, outra pesquisa terá de analisar a utilidade do teste de urina em homens que não tenham sido submetidos a testes de PSA.[LiveScience]

O remédio milagroso que mata todo tipo de câncer.


Um único remédio conseguiu diminuir ou até matar cânceres de ovário, cólon, cérebro, fígado e bexiga transplantados para ratos.
O tratamento consiste em um anticorpo que bloqueia um sinal – que engana o sistema imunológico – das células cancerosas.
Uma década atrás, o biólogo Irving Weissman, da Universidade de Stanford, descobriu que as células de leucemia produziam altos níveis da proteína CD47. Essa proteína também está presente em células sanguíneas saudáveis, servindo como um sinalizador para não serem destruídas. Dessa maneira, o câncer consegue enganar nosso sistema imunológico.
“O que revelamos é que a CD47 não é importante apenas em leucemias e linfomas”, afirma Weissman. “Está em todo tumor humano primário que testamos”. O laboratório de Weissman acabou descobrindo que todas as células cancerígenas possuem mais da proteína do que as saudáveis.
A equipe transplantou tumores humanos para as patas de ratos, onde eles poderiam ser facilmente monitorados. Quando os animais receberam remédios anti-CD47, os tumores encolheram e não se espalharam pelo resto do corpo.
Em todos os ratos que receberam tumores humanos de bexiga, por exemplo, o câncer se espalhou para o sistema linfático. No caso dos que receberam o tratamento, apenas um em cada 10 apresentou sinais do câncer ter se espalhado nesse sistema. No geral, o tumor implantando ficou menor após o tratamento. No caso de cinco ratos com células cancerígenas de mama, os animais ficaram sem sinais de câncer até quatro meses após o fim do tratamento.
“Nós mostramos que mesmo quando o tumor já tomou conta, o anticorpo pode curar o tumor ou diminuir seu crescimento, prevenindo a metástase”, afirma Weissman.
Uma questão importante, que surge agora, é como os anticorpos de CD47 vão complementar os tratamentos existentes. Quando usados em conjunto com a quimioterapia, por exemplo, isso pode ser contraprodutivo, já que o stress desse tratamento poderia fazer com que as células normais produzam mais CD47 do que o comum.
“Nós já temos dados suficientes para afirmar que nós vamos passar para a fase de testes em humanos”, afirma Weissman. [ScienceNow]






Vitamina E em excesso pode aumentar o risco de câncer de próstata.




 Ao contrário do que pode se pensar, nem todas as vitaminas fazem bem. Em excesso, algumas podem ser prejudiciais. Pesquisadores americanos descobriram que homens que tomam mais de 400 unidades internacionais (UI) de vitamina E diariamente têm 17% mais chances de desenvolver câncer de próstata em sete anos.
Pesquisadores estavam tentando confirmar estudos anteriores que indicavam que a vitamina E e o selênio ajudam a prevenir o câncer de próstata, mas descobriram que o efeito é justamente o contrário. A dose que eles estudaram é quase 20 vezes maior do que a quantidade diária recomendada de 22,4 UI.
Pesquisadores acompanharam 35 mil homens na faixa dos 50 anos e descobriram que, para cada mil homens que tomam suplementos de vitamina E, 76 desenvolvem câncer de próstata. Entre os 1009 homens que tomaram placebo, 65 desenvolveram a doença.
Isso indica que os consumidores precisam ser céticos quanto aos possíveis bons efeitos de suplementos não regulamentados, que ao invés de serem benéficos, trazem riscos. O aumento observado de 17% nos casos de câncer em homens que ingerem suplementos em grande escala mostra o grande potencial de substâncias aparentemente inócuas.
Como a falta de vitamina E pode levar a problemas musculares, ela é comumente incluída em multi suplementos vitamínicos. Suplementos dietéticos são muitas vezes tomados sem orientação médica, principalmente porque as pessoas tendem a pensar que eles não apresentam riscos à saúde.
Para reduzir o risco de câncer de próstata, é importante que os homens mantenham uma dieta saudável e equilibrada para assegurar o nível adequado de vitaminas e minerais que necessitam.
A vitamina E não pode ser cortada do cardápio, apenas não deve ser ingerida em excesso. Essa vitamina é essencial e tem uma série de funções vitais no corpo, incluindo um importante papel como antioxidante, protegendo as proteínas e lipídios da oxidação. Ingerir 540 miligramas ou menos de vitamina E por dia não causa dano algum para saúde.[Telegraph]


Masturbação pode levar a câncer de próstata?

Um novo estudo aponta que homens com vida sexual ativa, entre seus 20 e 30 anos, têm maior probabilidade de desenvolver câncer de próstata – e as chances do desenvolvimento da doença aumentam se a masturbação for um ato freqüente.
De acordo com o autor da pesquisa, Polyxeni Dimitropoulou, os estudos do câncer de próstata normalmente estão relacionados a homens que já estão na meia-idade (a doença aparece em homens mais velhos). Sendo assim, os cientistas estão interessados nesse provável elo entre a anomalia das células e a vida sexual na juventude do paciente.
A pesquisa foi feita da seguinte forma: dois grupos de homens com menos de 60 anos foram formados – os que tinham câncer de próstata diagnosticado e os que não apresentavam sinal da doença. Entre os doentes, 34% tinha o hábito de se masturbar enquanto estava na faixa dos vinte anos. Essa porcentagem, entre homens saudáveis, é 20%. Uma situação similar foi verificada na faixa etária dos 30 anos.
Para Dimitropoulou, os hormônios têm um papel decisivo no câncer de próstata e é comum que homens com a doença sejam submetidos a tratamentos de redução hormonal para que o câncer não aumente ou se espalhe pelo organismo. “Como os hormônios estão ligados com o ato sexual, o homem que tiver a vida sexual mais ativa teria maiores chances de desenvolver câncer de próstata, já que seus hormônios seriam, também, mais ativos”. No entanto, o pesquisador admite que, para ter conclusões mais acertadas, é necessário um conhecimento maior do corpo humano.
Outro resultado espantoso que a pesquisa revelou é que, se nos homens mais jovens a vida sexual ativa pode aumentar o risco de câncer de próstata, nos mais velhos acontece o contrário. O estudo indicou que, a partir dos cinqüenta anos, uma vida sexual mais ativa e a própria masturbação podem prevenir o câncer. A explicação fornecida pelos pesquisadores é a de que, durante o ato, toxinas acumuladas na “área” são liberadas, reduzindo os riscos. Mas eles afirmam, novamente, que maiores estudos são necessários para chamar esses resultados de conclusivos.
Outras curiosidades reveladas pela pesquisa:
  • 59% dos homens de ambos os grupos revelaram que praticaram atos sexuais (seja masturbação ou o modo “tradicional”) 12 vezes, ou mais, dos 20 aos 30 anos de idade. O número diminuiu sempre, a cada dez anos de idade adquiridos.
  • 39% do grupo com câncer de próstata possuíam seis parceiras, ou mais, comparado com 30% do outro grupo.
  • Os homens com câncer de próstata eram mais propensos a terem doenças sexualmente transmissíveis. [Live Science]
Orégano mata células de câncer de próstata.



Pizza com ou sem orégano? A partir de hoje, aposto que muitos homens vão fazer questão de comer esse tempero.
Pesquisadores da Universidade de Long Island, nos Estados Unidos, descobriram que essa erva amplamente empregada na cozinha do Mediterrâneo pode ser utilizada para ajudar a tratar o câncer de próstata.
No Brasil, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de próstata é o segundo mais comum entre homens – atrás apenas do câncer de pele não melanoma. Em valores absolutos, é o sexto tipo mais comum no mundo, o que representa cerca de 10% dos casos totais de cânceres. Só neste ano, estima-se que sejam diagnosticados mais de 60 mil novos casos de câncer de próstata. E vale ressaltar que sua taxa de incidência é seis vezes maior nos países desenvolvidos que nos países em desenvolvimento.
Entre as opções de tratamento, merecem destaque as cirurgias, quimioterapias, terapias hormonais e terapias imunes. Mas, infelizmente, todos esses tratamentos estão associados a complicações ou a efeitos colaterais graves.
Coordenadora da pesquisa, a médica Supriya Bavadekar testou um dos componentes do orégano – a substância carvacrol – em células cancerosas de próstata. Resultado: o carvacrol induziu apoptose (termo científico para morte celular programada, que é um tipo de autodestruição celular ordenada) nas células doentes.
Agora, Bavadekar tentará entender como a substância faz isso. “Sabíamos que o orégano possuía propriedades antibacterianas e anti-inflamatórias, mas seus efeitos sobre células cancerosas eleva seu status”, conta a médica. [ScienceDaily]



Observação:

Um detalhe; o uso culinário do orégano é diferente do uso medicinal. Não adianta carregar a pizza de orégano, ou melhor, dizendo, não se sabe se carregar a pizza de orégano tem o mesmo efeito obtido no experimento.


CÂNCER DESAPARECE APÓS TRATAMENTO QUE 

UTILIZA VÍRUS.








Usando a famosa estratégia do “cavalo de Troia” (em que um “presente” aparentemente inofensivo vem carregado de “soldados”), cientistas conseguiram destruir tumores de próstata em cobaias – tratamento que, se mostrar resultados igualmente bons em humanos, pode revolucionar o combate ao câncer.
No lugar de um cavalo, a equipe usou macrófagos (“células brancas”, do sistema imunológico, que atacam organismos invasores) e, ao invés de soldados gregos, um tipo de vírus capaz de se tornar “passageiro” de células brancas e driblar o sistema imunológico.
“Cavalo de Tróia” é usado para matar células cancerosas
Depois de um tratamento com quimioterapia ou radioterapia, o corpo envia uma grande quantidade de células brancas para recuperar a região afetada. “Nós aproveitamos essa onda para coletar quantas dessas células pudermos para levar os vírus ao centro do tumor”, explica a professora Claire Lewis, da Universidade de Sheffield. Eles iniciaram o tratamento dois dias depois de encerrar as seções de quimioterapia.

Algas podem matar células de câncer

No começo, cada macrófago continha apenas poucos vírus. Depois que os tumores foram invadidos, contudo, os vírus começaram a se multiplicar e, em apenas 12h, cada macrófago liberou cerca de 10 mil vírus – que infectaram e mataram as células cancerígenas.

Garota de 17 anos inventa nanopartícula que mata células cancerosas
O tratamento foi um sucesso. “Ele erradica completamente o tumor e o impede de crescer novamente”, destaca Lewis. Ao final de 40 dias, todos os ratos estavam vivos e não tinham qualquer sinal de câncer – muitos dos que receberam outros tratamentos, contudo, não sobreviveram ou tiveram tumor recorrente.
Embora considere o tratamento extremamente promissor, a pesquisadora lembra que outras descobertas que funcionaram com ratos não tiveram bons resultados em humanos. Assim, ela pretende fazer testes com voluntários já no próximo ano.[BBC]

Com informações de :http://hypescience.com/
Parte inferior do formulário














Você pode gostar de...

0 comentários

Criticas ou sugestões?

Nome

E-mail *

Mensagem *

Visitantes