COPA DA FIFA - A ABERTURA SEM GRAÇA E AS OBRAS QUE NÃO VIRÃO

21:46Carlos Alberto-Jornalismo,isento e sem compromisso com mentiras.!



E o Brasil abriu a Copa do Mundo 2014 – sete anos após ter sido escolhido para sediar o evento. 
Com uma abertura considerada como  a mais sem graça já vista pela maioria das pessoas ouvidas a respeito nas ruas.
E se a seleção brasileira estreou com vitória contra a Croácia no Mundial, não há motivos para celebração quando o assunto é a infraestrutura, que já se mostrava um dos maiores desafios para o Brasil. O tão propalado "legado da Copa" parece mais restrito aos discursos da presidente-candidata Dilma Rousseff, que não economiza na celebração – esquecendo-se das muitas obras que não entregou, e das que o fez às custas de muito dinheiro desperdiçado.
Mas no país do futebol, o povo sempre se contagia e faz a sua própria decoração!
A Presidente Dilma agradeceu aos brasileiros por transformarem o "sonho" da Copa em realidade. Segundo ela, o mais difícil da realização do evento "foi vencido" e os desafios foram superados.
Mas e as obras que não foram terminadas?






Ainda que os estádios tenham sido entregues, mesmo que muitos aos 45 minutos do segundo tempo, havia muito mais a ser feito para que hoje os brasileiros pudessem, de fato, preocupar-se apenas com o futebol. 




Diversos, fatores, contudo, contribuíram para o contrário:  o governo demorou dois anos para apontar as doze cidades escolhidas para sediar o evento. 

Em São Paulo, a indefinição em torno do estádio da Copa durou quatro anos. Além disso, problemas burocráticos e disputas políticas atrasaram a liberação de linhas de crédito para os projetos. Cada cidade teve um prazo médio de cinco anos para iniciar e concluir as obras, mas muitas delas sequer saíram do papel – algumas por decisão dos próprios governos locais –, e outras sequer sairão. Confira a seguir o legado de que o Brasil não vai usufruir.
FOTOS REVISTA VEJA.



Você pode gostar de...

0 comentários

Criticas ou sugestões?

Nome

E-mail *

Mensagem *

Visitantes