MINISTRO GILMAR MENDES E UM TAPA NA CARA DOS "POLITIQUINHOS" DO DF EM GERAL- "AQUI SE FAZ UMA POLÍTICA RASTAQUERA"!

10:36Carlos Alberto-Jornalismo sério

VERDADE! LÍMPIDA E CLARA!
MINISTRO GILMAR MENDES E UM TAPA NA CARA DOS "POLITIQUINHOS" DO DF EM GERAL!

Um ministro disse o que muita gente gente não quer ouvir aqui no DF!
Por que aqui não se faz só uma política "rastaquera"!
Pra quem não sabe; fuleira, tranqueira, rasteira, barata...
Faz-se uma política danosa, corrompida, asquerosa,cretina e o pior, que serve como mau exemplo para as futuras gerações, porque os corruptos crescem e enriquecem sem punição e sem nenhum preceito ou vestígio de honestidade ou qualquer  fundamento de ética, aliás onde a ética não existe e não entra, e que  até o próprio Afonso Arinos, um dos maiores juristas deste país, disse um dia ter dúvidas sobre a autonomia a ser concedida ao DF, exatamente pelo que que ele previu qual profeta, aconteceria e acontece hoje em dia, onde se vê os milhões roubados enquanto se dirigiu cargos públicos sendo gastos desavergonhadamente em campanhas milionárias, sem qualquer pejo ou constrangimento, como se fora a coisa mais normal do mundo, o famosos ditado "rouba mas faz"!
Roubei, mas antes critiquei o balcão de negócios do meu antecessor, então livrei a minha cara e saí como moralizador!
Tá faltando mesmo aqui no DF, é uma só lei: A Lei Orgânica da Vergonha na Cara!

"Murray Rothbard diz em um ensaio seu:
"Pois, além de rejeitar por serem injustificáveis atividades como assassinato, homicídio, estupro, invasão, roubo, assalto, arrombamento e fraude, a ética da propriedade privada também é incompatível com a existência de um estado, definido como uma agência que possui um monopólio territorial compulsório de supremo tomador de decisões (jurisdição) e/ou o direito de cobrar impostos.
A teoria política clássica, ao menos a partir de Hobbes, enxergou o estado como a própria instituição responsável pelo cumprimento da ética da propriedade privada.  Ao considerar o estado injusto — na verdade, considerar "uma grande organização criminosa" — e chegando a conclusões anarquistas, Rothbard obviamente não negou a necessidade de se fazer cumprir a ética da propriedade privada. 
Ele não compartilhou a visão daqueles anarquistas, ridicularizados por Mises, seu professor e mentor, que acreditavam que todas as pessoas, se apenas fossem deixadas em paz, seriam criaturas boas e pacíficas.
Ao contrário, Rothbard concordou plenamente com Mises que sempre existirão assassinos, ladrões, bandidos, vigaristas etc., e que a vida em sociedade seria impossível se eles não fossem punidos através da força física.  Ao invés disso, o que Rothbard negou categoricamente foi a alegação de que a partir do direito e da necessidade de proteção da pessoa e da propriedade segue-se que a proteção deveria legitimamente, ou poderia efetivamente, ser fornecida por um monopolista de jurisdição e de tributação.  A teoria política clássica, ao alegar isso, teve que apresentar o estado como o resultado de um acordo contratual entre detentores de propriedade privada."
Ou serja: Estamos formando cidadãos com mentalidade corrupta e um estado apodrecido em seus valores, por falta de padrões de ética, onde o anda valendo mesmo, é a pesquisa eleitoral, a intenção de votos, e claro, as benesses que vem depois.

Karlão-Sam, In blog.




Você pode gostar de...

0 comentários

Criticas ou sugestões?

Nome

E-mail *

Mensagem *

Visitantes