AGNELO QUEIRÓZ, SUAS MÁGOAS E OS NOMES DOS QUE O TRAIRAM.

18:19Carlos Alberto-Jornalismo sério

O choro é livre!
Agnelo Queiróz e aqueles a quem ele ajudou e o abandonaram!

Ainda faltavam três dias para as eleições quando o governador Agnelo Queiroz (PT) recebeu do comando da campanha uma pesquisa interna dando conta de que seria derrotado já no primeiro turno. Ele foi às lágrimas. Desorientado, ainda teve de encarar dois dias de campanha. Para os mais próximos, repetia que perderia a eleição por causa da traição de aliados e da crise nos setores de saúde e segurança pública. Em pleno ano eleitoral, Agnelo impôs uma medida que soou antipática: instituiu o ponto eletrônico para os profissionais da saúde, até então acostumados a ter horário flexível. Depois da medida, seis de cada dez médicos da rede passaram a cabular o serviço apresentando atestado. Os cerca de 25 000 pacientes que procuram as dezesseis unidades de emergência diariamente em todo o Distrito Federal foram os primeiros a sentir a deficiência no atendimento. 
Do lado da segurança pública, o petista enfrentou no início do ano uma operação tartaruga dos policiais, que resultou em um aumento de 30% na criminalidade. A população, na análise de pessoas próximas ao governador, descontou aqueles momentos de pavor nas urnas. Na reta final da campanha, Agnelo sofreu mais um revés. Ao longo de três meses, seus principais apoiadores deram-lhe as costas.
A traição mais sentida veio de seu ex-secretário de Justiça Alírio Neto (PEN), que já deu as mãos a Jofran Frejat (PR), do deputado distrital Patrício (PT) e do ex-diretor do DF-Trans Marco Antônio Campanella (PPL).

Todos eles ganharam visibilidade no governo atual e pleitearam uma vaga na Câmara dos Deputados. Nesses três casos, a vingança de Agnelo veio a cavalo. O trio também amargou derrota nas urnas.


Ullisses Campbell
vejabrasil.abril.com.br/brasilia

Você pode gostar de...

0 comentários

Criticas ou sugestões?

Nome

E-mail *

Mensagem *

Visitantes