FEDERAIS DESBARATAM MAIS UMA QUADRILHA DESTA VEZ NO TOCANTINS E PARÁ.

18:31Carlos Alberto-Jornalismo sério

PRESA QUADRILHA SUSPEITA DE DESVIAR R$ 10 MILHÕES DO SEGURO-DESEMPREGO
GRUPO AGIA NO TO E NO PA; UM SERVIDOR DA CAIXA FOI PRESO EM PALMAS.
Eles simulavam o desemprego e sacavam o benefício.
Uma operação da Polícia Federal no Tocantins resultou na prisão de sete pessoas nesta sexta-feira (21). Elas são suspeitas de fazer parte de organizações criminosas que fraudavam o benefício previdenciário do seguro-desemprego. Em Palmas, duas pessoas foram presas, um servidor da Caixa Econômica Federal, de 44 anos, e a mulher dele, de nomes não divulgados. Outras cinco também foram presas em Redenção (PA). A suspeita é que elas tenham desviado pelo menos R$ 10 milhões.
De acordo com o delegado responsável pelas investigações, Danilo Robatto, a suspeita é de que a quadrilha escolhia nomes de pessoas que tinham um vínculo empregatício válido e simulavam o desemprego. "Eles faziam pesquisas aleatórias e pegavam os nomes pela internet. Depois, através de uma empresa falsa criavam vínculos empregatícios. A quadrilha tinha acesso a senhas do Sine para realizar o requerimento do seguro-desemprego". O delegado disse que milhares de nomes podem ter sido usados na fraude. A polícia investiga se as pessoas são vítimas ou têm envolvimento com o crime.
Após esta etapa da fraude, que era praticada no Pará, os envolvidos repassavam os dados para o servidor da Caixa, em Palmas, para que ele efetuasse os saques. "O servidor desempenhava a função de caixa. Ele tinha acesso aos pagamentos do seguro. Após o saque, ele depositava na conta das pessoas envolvidas e pegava uma parte para ele", explicou o delegado. Foram feitos milhares de saques, cada um no valor de R$ 1.304 relativo a dois salários mínimos, segundo Robatto.
Conforme as investigações, o dinheiro supostamente desviado pelo servidor era investido em bens, adquiridos no nome da mulher do funcionário. A suspeita é de que a quadrilha vem praticando o crime desde 2012. As investigações começaram após denúncia da Caixa. "Ele não fazia uma fraude num montante muito alto. Eram fraudes corriqueiras durante todo este tempo e começou a suspeitar dos valores. A Caixa começou a investigar e repassou para a gente".
Segundo o delegado de investigação e combate ao crime organizado, Fernando Paganelli, além dos mandados de prisão preventiva foram cumpridos 13 mandados de busca e apreensão. Foram apreendidos documentos, como comprovantes de depósitos, anotações de seguros-desempregos, além de quantia em dinheiro, veículos e uma moto aquática na casa do servidor da Caixa.
Os dois suspeitos serão ouvidos nesta sexta-feira e encaminhados para a Casa de Prisão Provisória e Cadeira Feminina de Palmas. Eles podem responder pelos crimes de estelionato, associação criminosa, lavagem de dinheiro, corrupção passiva e peculato. Se forem julgados culpados podem pegar até 30 anos de prisão.
Conforme a Polícia Federal, além da operação Áspide (obra venenosa) feita no Tocantins, foi deflagrada também outra no Pará, a operação Justa Causa II. Lá, foram cumpridos nove mandados de prisão preventiva e nove de busca e apreensão. O delegado explicou que são duas organizações diferentes, mas que agiam em conjunto e praticavam os mesmos crimes.
Em nota a Caixa explicou que apresentou notícia-crime à Polícia Federal sobre os indícios de fraude nos pagamentos do seguro-desemprego. O banco esclareceu que iniciou o processo de investigação com base nas informações de controles internos com o objetivo de punir os envolvidos.

A Caixa informou ainda que o empregado identificado como um dos participantes da quadrilha foi demitido e avisou que acompanhará as investigações da polícia "sem prejuízo do andamento do processo de imputação de responsabilidade aos envolvidos".


Quanto aos beneficiários que têm direito ao seguro-desemprego, o banco ressaltou que todos receberão o auxílio normalmente.

G1.com

Você pode gostar de...

0 comentários

Criticas ou sugestões?

Nome

E-mail *

Mensagem *

Visitantes