Afastado juiz que determinou prisão de funcionários da TAM no MA

14:05Carlos Alberto-Há 40 anos vivendo Brasília!

Decisão foi apoiada no abuso de poder manifestada pelo juiz.

Marcelo Baldochi era titular da 4ª Vara Cível de Imperatriz.


O juiz Marcelo Baldochi, titular da 4ª Vara Cível de Imperatriz, a 727 km de São Luís, foi afastado de suas atribuições jurídicas. A decisão pelo afastamento do magistrado foi anunciada no final da manhã desta quarta-feira (17) em reunião do pleno do Tribunal de Justiça após a conclusão da sindicância que investigava a conduta do juiz. A decisão foi apoiada no abuso de poder manifestada pelo juiz.
No início desse mês, o juiz Marcelo Baldochi deu voz de prisão a funcionários da companhia aérea TAM porque foi impedido de embarcar após ter chegado atrasado ao aeroporto da cidade de Imperatriz.
saiba mais
Em Imperatriz, juiz dá ordem de prisão a funcionários da TAM
Juiz que ordenou prisões em Imperatriz tem histórico de polêmicas
Associações criticam juiz que mandou prender funcionários da TAM
Corregedoria instaura sindicância para apurar conduta de Baldochi
Juiz Marcelo Baldochi deve prestar depoimento nesta terça-feira (16)
Começa depoimento de juiz envolvido em polêmica em Imperatriz
O caso do juiz não será encerrado com esta decisão. Agora será aberto um processo administrativo disciplinar para a investigação final sobre este caso e outras denúncias que a sindicância recebeu em relação a Marcelo Baldochi.
O prazo para conclusão das investigações da comissão é de no máximo 30 dias, mas a ideia é que o relatório seja entregue antes do fim de ano.
Entenda
Três funcionários da TAM foram mandados ao Plantão Central da Polícia Civil de Imperatriz após receberem ordem de prisão do juiz. Segundo depoimento prestado pelos funcionários na delegacia, o magistrado teria ordenado a prisão dos funcionários ao ser impedido de entrar em uma aeronave, minutos após os procedimentos de embarque serem encerrados.
Em 2007, Marcelo Baldochi assinou um termo de ajustamento de conduta em que se comprometeu a não maltratar os empregados e pagou R$ 38 mil em direitos trabalhistas. Na época, o Conselho Nacional de Justiça determinou que o Tribunal de Justiça do Maranhão abrisse processo administrativo contra o juiz, mas uma liminar do Supremo Tribunal Federal suspendeu a decisão.
A Ordem dos Advogados do Brasil entrou com uma representação contra o juiz por causa de denúncias como humilhação e tentativas de dificultar o trabalho dos advogados na região. No dia 11, a Ordem dos Advogados do Brasil seccional Maranhão (OAB-MA) entrou com representação junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) contra o juiz. De acordo com o presidente da OAB-MA, Mário Macieira, são recorrentes as denúncias contra Baldochi por desrespeito às prerrogativas do advogado. Segundo presidente, é dever do magistrado manter conduta irrepreensível na vida pública e particular razão pela qual a seccional protocolará representação perante o CNJ para que se manifeste sobre o caso.
G1.

Você pode gostar de...

0 comentários

Criticas ou sugestões?

Nome

E-mail *

Mensagem *

Visitantes