ASFALTO ECOLÓGICO; ELE ESTÁ CHEGANDO PELO ACRE.

20:57Carlos Alberto-Jornalismo,isento e sem compromisso com mentiras.!

ASFALTO ECOLÓGICO É USADO EM ESTRADA QUE LIGA PLÁCIDO DE CASTRO À BOLÍVIA



 Produto dura mais e não afeta meio ambiente, diz responsável pela tecnologia.
Trecho experimental foi aplicado há um mês em 300 metros de ramal.
Tecnologia foi aplicada inicialmente em 300 metros do ramal que liga Plácido de Castro à Bolívia 
(Foto: Arquivo pessoal/Jacira Abdon)

O município de Plácido de Castro, distante 100 km da capital Rio Branco começou a testar um novo tipo de pavimentação, com o uso de um polímero para aglomerar as partículas do solo, construindo uma base rígida resistente à água e à carga. E, nessa iniciativa em favor do meio ambiente, a primeira estrada a receber o pavimento liga o município à Bolívia. A tecnologia foi aplicada inicialmente em 300 metros há pouco mais de um mês.
De acordo com o diretor-presidente da empresa responsável pelo experimento em São Paulo, Newton Vasconcelos, em função da falta de equipamento no município do interior do Acre, a empresa teve que fazer uma improvisação da tecnologia. Segundo ele, o produto foi aplicado em forma de selante.
"O material que está solto na pista é retirado e, em seguida, começamos o procedimento. É feito uma raspagem superficial do solo, aplica-se o produto como se estivesse pintando o chão, depois volta com um rolo liso fazendo o fechamento dos poros do pavimento. O resultado é um piso selado, sem poeira e liso. Fica uma estrada de terra, como se fosse asfalto, com o uso do 'Terra Fix', que é uma tecnologia de pavimentação ecológica", explica Vasconcelos.
saiba mais
Acreano cria máquina e mini-indústria de vassouras feitas de garrafas pets
Sapato ecológico é confeccionado com borracha de seringueiros do AC
Seringueiro e artesão, 'Dr. Borracha' faz botas e sapatilhas de látex
O diretor-presidente garante que essa tecnologia pode ser usada em todas as estradas rurais do estado. Segundo Vasconcelos, é uma solução para melhorar as condições de trafegabilidade nas estradas e a manutenção só precisa ser feita de ano em ano, e não a cada três meses como na tecnologia usada em ramais normalmente.
"É um piso mais resistente. Além de ser uma alternativa ecológica, já que o produto não oferece nenhum impacto negativo ao meio ambiente. Um detalhe é que é utilizado o solo do próprio local, então não teria necessidade de trazer material de outros lugares", acrescenta o diretor.
A proposta é para os locais onde não há condições financeiras de colocar uma capa asfáltica. "A tecnologia tem um custo praticamente três vezes menor do que o da aplicação de asfalto", diz Vasconcelos.
O secretário de obras de Plácido de Castro, Luciano Barros, diz que essa foi apenas uma demonstração da tecnologia que teve boa aceitação e pode ser aplicada futuramente em todos os ramais do município. Barros conta que o prefeito da cidade ficou sabendo da tecnologia quando esteve em Brasília, entrou em contato com a empresa responsável, que fez uma amostra.
"Reunimos as prefeituras de Plácido de Castro e Capixaba para que a empresa fizesse a demonstração nesse ramal que dá acesso à Bolívia. É um produto que cria uma crosta de 50 centímetros no solo, que não infiltra água. Temos a garantia de ficar por um bom tempo sem poeira, sem a água infiltrar e com isso evitando carros atolados", afirma Barros.
 Morador não aprova nova pavimentação e diz que o local continua com o mesmo problema de poeira (Foto: Iryá Rodrigues/G1)
Segundo o secretário, essa tecnologia é feita para ser usada, principalmente, em ramais. "Essa proposta é importante para o nosso estado, já que chove muito nessa região e o produto demora a deteriorar. Normalmente só passamos a máquina no ramal para compactar o solo e com duas ou três chuvas, já está se deteriorando. Com essa tecnologia, essa camada é muito mais resistente, e só vai precisar ser mexido novamente após um ano", conclui.
O morador Valclei Nunes de Oliveira, de 36 anos, não aprovou a nova pavimentação. Ele mora em Plácido de Castro a vida toda e conta que esse trecho da cidade sempre teve problemas com a poeira durante o verão e com a lama no período de chuvas.

"Eu fiquei sabendo desse negócio que aplicaram aí há um mês para diminuir a poeira que fica, mas pelo visto não resolveu nada. É uma tristeza total, porque a gente continua tendo que passar por aqui ficando quase que coberto de tanto barro. Quando os carros passam fica ainda pior, porque sobe a poeira. Ainda não choveu forte, mas só com um sereno já deu para ver que também não vai dar certo, vai ficar aquela mesma lama que atola os carros", reclama Oliveira.
Cabresto.blogspot.com

Você pode gostar de...

0 comentários

Criticas ou sugestões?

Nome

E-mail *

Mensagem *

Visitantes