featured

COPAS E TRAGEDIAS: ARNALDO CÉSAR COELHO RELEMBRA A 'TRAGÉDIA DO SARRIÁ' NA ESPANHA EM 1982

23:22Carlos Alberto-Jornalismo sério


COPAS E TRAGEDIAS:
ARNALDO CÉSAR COELHO RELEMBRA A 'TRAGÉDIA DO SARRIÁ' NA ESPANHA EM 1982
 
O craque italiano Paolo Rossi e Arnaldo Cezar Coelho na final vencida pela squadra azzurra contra a Alemanha por 3 a 1 (Foto: MARK LEECH/OFFSIDE/GETTYIMAGES)

 Eu tinha ido para a Copa de 1978, na Argentina, e para um Mundial Sub-20 em 1981, na Austrália. Isso me credenciou à Copa do Mundo de 1982. Havia 41 árbitros que apitavam e bandeiravam. Naquela época era assim. Fazíamos as duas coisas. Quando veio a escala com os nomes dos árbitros da primeira fase, o meu não estava lá. Trinta e três juízes foram chamados, mas eu não fui. Fui escolhido só para ser bandeirinha. Lembro que fiquei meio decepcionado, aí um senhor da Fifa veio e me disse: “Arnaldo, você já é conhecido, você vai ser preservado para a segunda fase”. Fui dar uma entrevista numa rádio, e um comentarista falou que “preservado” era um nome feio, parecia “preservativo”. Fiquei mal. “Será que não vou apitar nesta Copa?”
Na segunda fase, me escalaram para apitar um jogo entre Alemanha e Inglaterra em Madri. Era uma partida de dois campeões do mundo. E, nesse jogo, lá no estádio Santiago Bernabéu, do Real Madrid, fui muito bem. Foi zero a zero, não teve cartão amarelo. Acabou o jogo, e o Karl-Heinz Rummenigge, atacante da Alemanha, veio me cumprimentar e tudo mais. A televisão até o mostrou me cumprimentando, e isso impressionou muito os caras da Fifa.
Eu achava que seria turista dali em diante. A Seleção Brasileira ganhava todas, e todos nós tínhamos certeza de que ela jogaria a final. Eu, brasileiro, não poderia apitar. Então parei de fazer meu preparo físico lá no centro de treinamento do Real Madrid. O Brasil vai chegar à final, já apitei meu jogo, então não vou apitar mais, pensei. Naquelas manhãs ia jogar tênis com o Armando Nogueira, que era diretor da TV Globo. Parei de me exercitar com o António Garrido, árbitro português que sempre fazia as corridas comigo e que entendeu minha situação.
Quando o Brasil perdeu para a Itália na segunda fase, voltei a fazer minha educação física. Logo que me viu, o Garrido falou: “Ué, voltou?”. “Voltei! Agora sou neutro que nem você!” O Brasil estava fora, Portugal também. O Garrido achava que podia apitar a final, e havia alguns juízes na mesma situação. De três lembro de nome. Além do Garrido, havia o Abraham Klein, de Israel, e o Károly Palotai, da Hungria, um ex-jogador. Eram juízes de 49 anos que todo mundo dizia que apitariam a final da Copa de 1982, porque era o último ano deles. Naquela época, juiz só apitava até os 50 anos de idade.
Eu tinha um assunto particular, que era o seguinte: quando apitei meu jogo e o Brasil começou a ganhar tudo, encontrei o então presidente da Fifa, João Havelange, e lhe fiz um pedido. Era um jantar de uma solenidade. “Posso lhe pedir uma coisa que não é permitida?” Ele respondeu: “O que é?”. “Não é permitido que esposas viajem com os juízes para a Copa do Mundo, mas, já que o Brasil vai jogar a final e vou virar turista, o senhor permite que a Graça, minha mulher, venha? Ela chega no sábado e assiste ao jogo comigo no domingo.” Ele autorizou. Ainda pedi: “O senhor tem de me arrumar dois ingressos!”. Ele me deu dois que valiam para a tribuna, lá em cima no estádio. Eu os botei no bolso e falei para a Graça: “Viaja sexta à noite, chega no sábado para a gente assistir à final com o Brasil em campo”.
Depois da eliminação do Brasil, liguei correndo para ela e falei: “Não vem mais. Sem a Seleção na disputa, tenho chance de apitar outro jogo. Não sei qual”. Não passava por minha cabeça que pudesse ser a final. Poderia ser uma semifinal. Voltei a treinar, veio a semifinal, e nada. Não fui escalado. Quando chegou a quinta-feira, ainda era possível ser juiz para a disputa de 3º e 4º lugares. Era o que eu esperava. Na quinta-feira de manhã, às 10 horas, me comunicaram sobre a escala. Ligaram e disseram: “Parabéns, você vai ser o juiz da final”.
Liguei em seguida para casa, para os amigos. Liguei para o Sérgio Noronha, jornalista que estava lá como comentarista da TV Globo, e quem atendeu foi o Galvão Bueno. Eu, achando que era o Sérgio, comecei a falar: “Ô, Sérgio, que maravilha! Vou apitar a final! Vou apitar a final!”. Eu tinha mais intimidade com o Sérgio do que com o Galvão naquela época. O Sérgio era meu colega de praia. O Galvão conta e se diverte até hoje com essa história.
No sábado, o senhor Abílio de Almeida, responsável pela arbitragem na Fifa, que deu força para eu ser escalado, foi até o hotel onde eu estava e disse: “Esta é sua oportunidade. Você não queria apitar?”. Eu sonhava, mas nunca pensei que fosse acontecer de maneira tão prematura. Ao chegar ao estádio, lembro que eu estava com um inspetor do México e os bandeiras. Saltei do carro, e o Carlos Nascimento, que era da Globo e hoje está em outra emissora, veio me entrevistar. Os seguranças não deixaram. Eu me meti no meio e pedi calma. Eu falava assim: “Tranquilo, tranquilo, tranquilo!”. Isso vi numa gravação recentemente, porque não me lembrava mais. Dei a entrevista para o Nascimento dizendo que estava calmo. Tinha sido incentivado por vários telegramas que recebi. Um deles do Armando Marques, também árbitro, que era meu ídolo, meu mito. O telegrama dele eu coloquei na parede. “Arnaldo, apite por todos nós.” Sabe o que é isso? Apitar por todos os árbitros brasileiros? Fui para a final meio anestesiado.

Durante passeio a Lisboa, Coelho com a mulher, Graça, e a filha Mariana (Foto: ROBERTO MOREYRA/AGÊNCIA O GLOBO)
Cheguei ao estádio e fui percorrer o campo. Veio um fotógrafo que eu não conhecia. Era brasileiro. Ele me deu um envelope. Fui abrir só no vestiário com um medo tremendo. Eu me lembrava de uma carta que recebi na Bahia, com uma caveira e dizendo que eu morreria caso o time de lá perdesse o jogo. Mas agora era a carta de um brasileiro. E a carta estava assinada por todos os jornalistas brasileiros que estavam na sala de imprensa. O Sandro Moreyra escreveu. Eu sabia, porque era a letra dele. Ele dizia que todos estavam torcendo por mim, que eu era o brasileiro na final. Isso me emocionou, não é? Entrei no campo sob tensão.
Naquela final entre Itália e Alemanha, marquei um pênalti ainda no primeiro tempo. Eu não estava bem colocado no campo, porque foi um passe muito longo. Estava no meio do caminho, correndo. Quem cobrou por parte da Itália foi o Cabrini. Ele bateu à direita do gol. Não é que eu tenha torcido para que ele errasse o pênalti, mas fiquei aliviado quando a bola foi para fora. O juiz, quando dá um pênalti, por mais claro que seja, sempre vai sofrer com alguém que diz que não foi. Ele chutou para fora, e fiquei aliviado. Já imaginou se acaba o jogo com 1 a 0 num gol de pênalti? Vão questionar. Mesmo que na Europa se questione menos do que no Brasil.
O resto do jogo foi aquilo que todo mundo viu. Nos dez minutos finais, eu estava morto. O cansaço mental passou para o físico. Minha preocupação era levantar a bola logo para acabar o jogo. Tenho de registrar um fato importante. Eu tinha recomendado aos bandeirinhas, um deles o israelense Abraham Klein, para que não pegassem a bola quando ela saísse pela linha lateral. Isso era trabalho dos gandulas. E o Klein ficava pegando toda hora! Tinha regulamento da Copa do Mundo que dizia que, se a final acabasse em empate, haveria um novo jogo na terça-feira seguinte. O Klein fazia isso porque, se a Alemanha empatasse com a Itália, ele estava escalado de antemão para o jogo de terça-feira. Eu não seria mais o juiz da final da Copa se isso acontecesse! Em uma das vezes em que ele buscou a bola para os alemães, abri os braços como quem diz: “Pô, não falei que não era para pegar a bola?”. O Klein é um grande amigo até hoje.
O jogo acabou com 3 a 1 para a Itália. O que eu fiz? Esvaziei a bola e botei em minha mala. A Fifa vai ao vestiário pegar a bola do jogo, mas eu tinha experiência para saber o que fazer. Numa partida em 1978, fiz a mesma coisa com um amigo que era árbitro: esvaziei a bola, dei para ele e entreguei para a Fifa uma bola reserva. Vinte e cinco anos depois, fui apitar um jogo comemorativo daquelas seleções em Stuttgart, na Alemanha. O organizador pegou meu número com o Júnior, ex-lateral do Flamengo e da Seleção. Em um jantar numa fábrica da Mercedes, pedi que os jogadores alemães e italianos daquela final assinassem a bola. Peguei os autógrafos de quase todos, menos de um que já tinha morrido. Inclusive do Uli Stielike, que me deu trabalho durante o jogo. As outras lembranças não sei mais onde estão. O uniforme, meu filho usava em festas à fantasia. Nem sei mais onde está. O apito, dei de presente a um amigo jornalista, Carlos Leonan, e ele não me deixa pegar de volta. Mas a bola, e as lembranças, guardo comigo até hoje.
ÉPOCA GLOBO.COM

Você pode gostar de...

0 comentários

Criticas ou sugestões?

Nome

E-mail *

Mensagem *

Visitantes