featured

STF ABSOLVE GLEISI HOFMANN POR CRIMES DE CAIXA 2, CORRUPÇÃO E LAVAGEM

23:14Carlos Alberto-Há 40 anos vivendo Brasília!


STF ABSOLVE GLEISI HOFMANN POR CRIMES DE CAIXA 2, CORRUPÇÃO E LAVAGEM


Paulo Bernardo e Ernesto Kugler também foram absolvidos por todos os crimes na Lava Jato. O placar foi de 3 x 2
A 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) inicia na tarde desta terça-feira (19/6) o julgamento da ação penal contra a senadora e presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hoffman (PT-PR), o marido dela e ex-ministro dos governos Dilma e Lula, Paulo Bernardo, e o empresário Ernest Kugler.
O Ministério Público Federal (MPF) acusa o trio de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, por supostamente ter recebido valor ilícito em esquema de corrupção na Petrobras. É a segunda ação penal oriunda da Operação Lava Jato na Corte.

No voto do relator da ação, Edson Fachin, o ministro mudou a tipificação de corrupção passiva para falsidade ideológica eleitoral. Com a alteração, ele também sugere a absolvição dos três acusados do crime de lavagem de dinheiro.
Depois do relator, foi a vez de Celso de Mello proferir o voto. Segundo o ministro, a acusação não conseguiu vincular o recebimento de R$ 1 milhão à prática do comércio da função parlamentar pela senadora. Por isso, o revisor seguiu o entendimento de Edson Fachin e se manifestou pela desclassificação do crime de corrupção passiva para falsidade ideológica eleitoral quanto a Gleisi Hoffmann. Ele também acompanhou o relator quanto a absolvição dos três acusados por lavagem de dinheiro.
Em seguida, Dias Toffoli anunciou seu voto. O ministro afirmou que as demais provas além das testemunhais apresentam indícios, mas não permitem embasar uma condenação. Por isso, Toffoli acompanhou o relator na absolvição de Paulo Bernardo por corrupção passiva, de Ernesto Kugler por falsidade ideológica eleitoral e dos três réus por lavagem de dinheiro. Já quanto ao crime de falsidade ideológica eleitoral pela senadora Gleisi Hoffmann, votou pela absolvição.
Gilmar Mendes foi o terceiro a votar. O ministro afirmou que vai votar pela absolvição de todos os réus, inclusive Gleisi Hoffmann, por todos os crimes. Segundo o Mendes, não há provas materiais que corroborem as acusações feitas pelos delatores premiados. Para Gilmar, se existem, essas provas são “raquíticas e inconclusivas”. Dessa forma, o placar ficou empatado. Já quanto aos réus Paulo Bernardo e Ernesto Kugler, já eram quatro votos pela absolvição.
Por último, Ricardo Lewandowski, presidente da 2ª Turma, decidiu seguir a divergência. Segundo o ministro, as delações premiadas que embasam a ação apresentam tantas “incongruências e inconsistências” que se toram inúteis para sustentar qualquer tipo de condenação, até mesmo contra Gleisi Hoffmann pelo crime de falsidade ideológica eleitoral. Lewandowski acompanhou a divergência de Dias Toffoli e vota pela total improcedência do denúncia do MPF.

Metrópoles.com

Você pode gostar de...

0 comentários

Criticas ou sugestões?

Nome

E-mail *

Mensagem *

Visitantes