featured

JOÃO DE DEUS PASSA PRIMEIRA NOITE NA PRISÃO

16:30Carlos Alberto-Há 40 anos vivendo Brasília!

JOÃO DE DEUS PASSA PRIMEIRA NOITE NA PRISÃO APÓS DENÚNCIAS DE ABUSO SEXUAL
Por conta da sua influência e da repercussão do caso, a defesa solicitou que o médium fique em cela separada, para ter a integridade física preservada
Dois dias após ter a prisão preventiva decretada pela Justiça, o médium João de Deus se entregou à polícia. Ele se apresentou em uma área rural, numa estrada de terra, em Abadiânia, cidade onde, desde a década de 1970, mantém trabalhos espirituais. Acusado de abuso sexual por mais de 300 mulheres, foi levado para a cadeia, no Núcleo de Custódia, no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, região metropolitana da capital de Goiás. Por conta da sua influência e da repercussão do caso, a defesa solicitou que ele fique em cela separada, para preservar sua integridade física.

O médium marcou o local e se encontrou com os policiais, acompanhado de um de seus advogados, 24 horas após ser considerado foragido pelo Poder Judiciário e de ter seu nome incluído na lista de procurados da Polícia Internacional (Interpol). Chegou a gravar uma entrevista para a TV Folha. Detido, o religioso foi levado para a Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic), onde chegou por volta das 18h de ontem.
Entre 19h30 e 22h, ele prestou depoimento ao delegado-geral que investiga o caso na cidade, André Fernandes. O advogado de João de Deus, Alberto Toron, disse que o cliente refuta todas as acusações de abuso sexual. “O senhor João nega as acusações e, com um tempo, vamos ter certeza do que realmente aconteceu. Já externei a estranheza de fatos ocorridos há 30 anos terem sido trazidos à tona agora, de fatos graves. Mas a mulher voltou uma, duas ou três vezes. Tudo isso terá que ser avaliado com muito cuidado”, disse o defensor.
O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificou movimentações financeiras de R$ 35 milhões em contas ligadas ao médium. O órgão informou o fato aos investigadores e ao Ministério Público, o que motivou o pedido de prisão, para evitar que ele saísse do país. O advogado do religioso afirma que ele retirou os valores de aplicações e transferiu para contas pessoais. “O dinheiro não foi sacado. Ele apenas baixou as aplicações. Ninguém saca R$ 30 milhões no banco. Ele baixou as aplicações para fazer frente a necessidades dele. Isso que se reputou, que seria um dinheiro para ele poder fugir, cai por terra quando ele se apresenta. É importante destacar que ele estava nas cercanias de Abadiânia”, completou Toron.
A partir de agora, a investigação entra em uma nova fase. João de Deus será confrontado com informações repassadas por 15 mulheres que já prestaram depoimento à Polícia Civil e outras dezenas que fizeram denúncias contra ele no Ministério Público. O delegado André Fernandes destaca a semelhança de detalhes entre os depoimentos das diversas vítimas. “O que chama mais atenção é a singularidade de comportamento. Nesses depoimentos notamos um ‘modus operandis’ comum que foi traçado por diversas vítimas que não se conhecem”, disse.

Questionado sobre como o inquérito pode ser embasado, tendo em vista que muitos dos crimes ocorreram há anos, inclusive com casos de prescrição, o delegado afirmou que equipes policiais continuam realizando diligências para a colheita de provas. “A palavra da vítima, nesses casos, tem uma relevância muito grande. A Polícia Civil, ainda nesta semana, formará mais provas sobre essa situação. Os depoimentos reforçam o comportamento de abuso. Temos outras provas, que não podem ser reveladas por questão de investigação. As vítimas dos crimes que já prescreveram prestarão depoimento como testemunhas”, completou. 

As primeiras denúncias públicas referentes aos abusos sexuais dos quais o médium é acusado foram feitas no programa Conversa com Bial, da TV Globo, no dia 7. No entanto, pelo menos três investigações já corriam contra ele na Polícia Civil de Goiás. Dois inquéritos foram abertos em 2016. Um terceiro, teve início em agosto deste ano.

As demais acusações também se referem à prática de abuso sexual. Em uma das denúncias, ele chegou a ser ouvido. Essas não são as primeiras acusações deste tipo contra o religioso. No entanto, nenhuma das ações tinha avançado a ponto de levá-lo para a prisão. Em 2010, uma mulher relatou ter sofrido abuso sexual durante o “tratamento espiritual”. No entanto, João de Deus foi considerado inocente pela Justiça, pois a vítima sofria de síndrome do pânico, o que não a permitiria “distinguir a fantasia da realidade”, de acordo com a decisão do magistrado da época.  
 "Os depoimentos reforçam o comportamento de abuso. Temos outras provas, que não podem ser reveladas por questão de investigação.”
André Fernandes


Com informações de Correio Braziliense-DF

Você pode gostar de...

0 comentários

Criticas ou sugestões?

Nome

E-mail *

Mensagem *

Visitantes